Teologia Contemporânea

A Teologia Contemporânea é a teologia do Século XX. Em sentido real, nasceu em 1919. Seu iniciador foi um jovem pastor, Karl Barth (1886-1968). É ele um novo pivô teológico na história, o anúncio de uma nova era teológica, considerando como marca o seu Comentário da Carta de Paulo aos Romanos, em 1919.

Em termos concretos, a Teologia Contemporânea trata do estudo acerca da teologia mais particularmente do Século XX. Esse século esteve comprometido com uma pluralidade de “teologias”, de caminhos e de muitas reflexões sobre o mundo, sobre Deus e o homem.

De início, há a necessidade de uma passagem reflexiva pelo período medieval, ainda que de modo conciso, no que tange aos debates teológicos e seus grandesexpoentes. Depois, em evidência, a Reforma Religiosa com suas propostasrenovadoras, não no sentido de se estabelecer novas doutrinas, mas de reaver anatureza e sentido da Bíblia como padrão de fé e prática da Igreja. Sobre a salvação eo papel da Igreja, se constituem algo de extrema importância nesse cenário,respectivamente. Entretanto, o que era para ser renovado, transformou-se numadivisão de segmentos eclesiais, fazendo surgir posturas diversas em relação a vários pontos doutrinários.

Antes de se refletir sobre a teologia do Século XX, é imprescindível verificarque a Teologia Contemporânea tem suas bases assentadas no Século XIX. Immanuel Kant sistematizou a confiança do homem moderno na capacidade da razão para tratar de todo o material em sua capacidade e em sua incapacidade para ocupar-se do que vai mais além. Assim, um novo conjunto de pressupostos religiosos moldouo pensamento do homem moderno.

O Iluminismo qualificou os séculos XVII e XVIII, constituindo a históriaintelectual do Ocidente. Enquanto a cosmologia da Idade Média era percebida comoum sistema orgânico, na modernidade tudo passou a ser relativo, fragmentado. A era da razão toma corpo, de modo que o homem passou a ser visto como o centro douniverso. Deus já não era mais visto como o autor da criação, e se era, não intervirianela; a religião não mais doutrinava a vida humana, mas a produção científica.